sábado, 31 de dezembro de 2011

Desejos celíacos para 2012!

Todo início de ano é a mesma coisa. Todo mundo prometendo, pedindo, agradecendo... Eu também não fico de fora, prometo um monte de coisas e não cumpro, peço sempre saúde e agradeço por ainda poder estar com as pessoas que amo por mais um ano.
E no ano que se inicia, vou pedir mais umas coisinhas... Uma listinha de umas 500 coisas, mais ou menos. Hahah, brincadeirinha...

Em 2012, eu quero:
1) Que em todos os supermercados tenham uma grande variedade de produtos sem glúten.
2) Que esses produtos tenham um preço acessível!
3) Que esses produtos estejam livres de contaminação e que a ANVISA fiscalize isso.
4) Que o governo ofereça cesta básica sem glúten aos necessitados.
5) Que o SUS faça mais exames para o diagnóstico da Doença Celíaca, e que quando diagnosticadas, as pessoas possam ser acompanhadas por uma equipe médica qualificada e em várias especialidades.
6) Que os médicos do SUS conheçam o protocolo clínico e diretrizes terapêuticas da Doença Celíaca.
7) Que os postos de saúde municipais façam campanhas para a divulgação da Doença Celíaca e que isso não fique somente a cargo das Acelbras.
8) Que em todos os restaurantes, lanchonetes e afins tenham um cardápio sem glúten.
9) Que os gerentes, maitres, chefs e garçons estejam a par da situação das pessoas com necessidades alimentares especiais e não os coloquem em risco.
10) Que a mídia abrace a nossa causa e fale com frequência da Doença Celíaca, de forma clara e informativa.
11) Que hotéis e pousadas estejam preparados para receberem pessoas com necessidades alimentares especiais.
12) Que ninguém mais me chame de fresca! Eu sou celíaca!

E se eu esqueci de algo, por favor, façam seus comentários e complementem a minha pequena listinha!!!

UM ANO MARAVILHOSO A TODOS OS AMIGOS QUE ACOMPANHAM O "MCSB"!!!
*Malu Ayello*


quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Sonhos de celíaco

Quem é celíaco vai concordar comigo. Depois que se inicia a dieta sem glúten nossos sonhos mudam. Não só os desejos que temos acordados, mas também os sonhos que temos quando dormimos.
Já faz um ano e dois meses que tenho sonhos parecidos. Essa noite foi com biscoito "cream cracker", e olha que eu nem era tão fã desses biscoitos. Comia um pacote inteiro, sem culpa, pra depois lembrar que eu não podia ter feito isso... Já sonhei com pizza, coxinha, pão de forma... Comia um pedaço e saía cuspindo e gritando que não podia. Que tristeza... 
Em "A Interpretação dos Sonhos" de 1900, Sigmund Freud, "demonstra que o sonhar é uma linguagem simbólica, pela qual se manifesta nosso inconsciente – espécie de porão da mente onde habitam fantasmas psíquicos, como conflitos não resolvidos e desejos reprimidos, que acabam governando todo o nosso comportamento". Fonte: Super Interessante 
O meu inconsciente deve ter uma baita vontade de cair de boca nos biscoitos, salgadinhos e massas de todos os tipos, mas o meu consciente está lá para podar: "Nãaao, Sr. Inconsciente, isto não é permitido para este corpo..." São os meus desejos reprimidos.
Procurei até o significado de comer biscoito, pizza, pão, na intenção de ler que indicaria o recebimento de uma quantia alta em dinheiro (hahahah!),  mas, infelizmente, não achei. 
A teoria Freudiana - que a função dos sonhos é a satisfação dos desejos - cabe bem nos meus. Talvez algumas pessoas sonhem em estar em uma casa milionária, em um carrão de luxo, viajando pelo mundo. Meus sonhos derradeiros são recheados de trigo, meu inimigo número um, mas que dá um prazer gustativo indescritível. 
E assim é a vida (e os sonhos) da bailarina celíaca. 




segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Palhaçada...

Não é fácil ser celíaco. Tem que ter muita paciência e força de vontade! Principalmente quando você se depara com pessoas que não estão dispostas a se colocar no lugar dos outros e nem a aprender sobre o que lhes chega de novo (e julgam sem embasamento).
 Essa semana fui informada que das poucas vezes em que eu voltei a um estabelecimento do qual era cliente assídua antes da Doença Celíaca, após pedir alguns cuidados com o que eu ia consumir (por causa da contaminação por glúten), o meu pedido era recebido com um sonoro "palhaçada", por algumas pessoas.
Preciso confessar que depois de um ano e dois meses de dieta e de incontáveis conversas com gerentes de restaurantes, maitres e garçons, ainda fiquei chateada. Ainda não consegui ignorar esse tipo de comentário. Eu sei que as pessoas agem dessa forma porque não conhecem a Doença Celíaca, não sabem dos males que  o glúten pode causar aos celíacos, mas, penso que os que trabalham neste ramo, devem estar abertos às solicitações dos clientes, seja por motivo de saúde ou por uma simples preferência.
Voltarei lá para entregar um folder informativo sobre a DC.
E pra quem quer se informar, a Acelbra-RJ tem ótimo material, é só clicar:

Depois dessa chuva de informações, não acredito que ainda vão achar que é palhaçada!

Fonte da imagem
Ótima semana a todos!

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Contamine-se!

Alguns amigos compartilharam esse vídeo no facebook e eu achei ótimo!
Espero que as boas ações e a gentileza contaminem o coração de todos!


Ótimo fim de semana!!

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Ei, ANVISA! Nossa vida depende disso!!



Você sabia que no alimento industrializado que compramos vem escrito "Não Contém Glúten", mas na verdade pode conter? Você sabia que a presença do glúten é de consequência fatal para os celíacos? ANVISA, se liga nisso! Nossa vida depende desses detalhes, que muitos chamam de frescura!!!

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Comédia celíaca!

Um amigo havia comentado comigo - nesses papos de sala dos professores - sobre uma foto que um amigo dele havia tirado de uma placa em uma padaria, no mínimo inusitada, que eu chorei de rir... Ele me prometeu a foto, mas, não a conseguiu. Bom, como o mundo internético é rápido demais, a foto chegou até minha pessoa, e agora compartilho com vocês. Minha amiga Zulaine me enviou perguntando se esses eu podia comer! É pra rir alto!!! 


Se houvesse contaminação a responsabilidade não seria deles, afinal, a informação importante estava ali!!

Um ótimo feriadão a todos!!
Malu Ayello.

terça-feira, 8 de novembro de 2011

Sorteio!! Quer participar?

Por: Redação do Sem Lactose.

O Guia VivaBem é o mais novo serviço do SemLactose - um guia de produtos e serviços para quem possui intolerâncias, alergias alimentares e para quem opta por hábitos de vida e alimentares mais saudáveis.
O Guia VivaBem está celebrando o seu primeiro ano de atividades e para isso criamos uma promoção especial para nossos leitores!
Desde a criação do Semlactose, recebemos inúmeros e-mails todas as semanas solicitando informações sobre onde encontrar produtos sem lactose e sem outros alérgenos. Com leitores em todos os estados brasileiros e com milhares de cidades em todo o país, fica difícil conhecer e poder divulgar tantos estabelecimentos.
Por outro lado, há diversas lojas, restaurantes, padarias, confeitarias e outros estabelecimentos que comercializam esses produtos, mas que por serem pequenos possuem pouca visibilidade. Com isso, surgiu a ideia de reunirmos todas essas informações em um espaço que possa ser consultado por pessoas de todo o Brasil, com resultados de buscas locais, para você encontrar aquela loja bem pertinho da sua casa que você nem imaginava existir!
Além disso, o guia também conta com cadastros de farmácias de manipulação e importadores de medicamentos, para quem quer mandar manipular a enzima lactase e outros suplementos, e também conta com um cadastro de profissionais da saúde. Para quem ainda não conhece o Guia VivaBem, não deixe de visitar!

Promoção 1 Ano Guia VivaBem

O Guia VivaBem vai sortear 10 kits de produtos sem lactose e sem glúten da GoodSoy e Beladri. A cada semana serão sorteados 2 kits e ao final da promoção serão sorteados 4 kits.

Para participar é simples!

1. Curta a página do Guia VivaBem no Facebook
2. Clique no menu Promoções.
3. Preencha o formulário
4. Pronto! Você já está concorrendo!

Datas dos sorteios: 10/11 – 17/11 – 24/11 e 30/11

Divulgação de resultados: através de nossas redes no Facebook e Twitter.


ATENÇÃO: O blog Malu Com Seus Botões somente divulga a promoção e não tem qualquer responsabilidade sobre a mesma.

Você vai participar? Eu já estou participando!!

sábado, 5 de novembro de 2011

Cansaço de fim de ano...

O fim do ano está chegando e o cansaço já tomou seu lugar. O que antes não incomodava passou a incomodar, a paciência está pouca e os olhos insistem em fechar quando vejo uma cama ou um sofá. Os problemas corriqueiros chegam como pedras nos sapatos e dá vontade de gritar ou chorar. Chega logo, dezembro! Tem horas que o corpo e a mente começam a pedir arrego. Começo a me perguntar porque além de tudo eu ainda tenho que ter preocupação redobrada com o que eu vou comer... A paciência pra isso também está dando adeus. Mas, isso só dura alguns segundos, 1 ou 2, no máximo, porque eu sei da importância da minha dieta. Mas juro que tem horas que eu nem quero ler as novidades do mundo gluten free. É muita coisa pra eu pensar, me preocupar, e, na atual conjuntura, não está dando. Continuo fazendo as coisas básicas, porém, seguras para minha qualidade de vida, mas, os diversos artigos e suposições sobre a "rebimboca da parafuseta do glúten, que afeta os ratos, que é desencadeado pelo beijo contaminado, que afeta os celíacos, mas, não afeta os de reação tardia (ou afeta?), que pode vir do hidratante, ou do batom ou do xampu que tem hydroxypropyltrimonium hydrolyzed  wheat protein, ou da vitamina E, e que desemboca na farinha de mandioca", eu estou deixando pras férias. Nas férias eu vou ler e tomar as devidas providências, ligar para o fabricante das minhas maquiagens, dos meus produtos capilares, questionar a procedência da linhaça, ligar para o SAC da farinha de mandioca, levar um manual de orientação para restaurantes aos locais que eu frequento. Nas férias eu vou lá conversar com o dono de um supermercado da minha cidade pra sugerir umas coisitas, eu vou procurar um endocrinologista, eu vou fazer densitometria óssea e falar da minha tendinite aquiliana no tornozelo direito, que dói demais, culpa das horas dirigindo. Eu juro que nas férias eu vou voltar a fazer minhas receitinhas, vou voltar a variar meu cardápio, que mais parece aquela aula que eu tinha na faculdade, depois do almoço, que dava sono, de tão monótona. 
Agora não está dando. E estou me libertando agora da culpa de não conseguir fazer tudo que eu gostaria. 
Mas, que fique bem claro, desistir da luta celíaca, nunca! 


quinta-feira, 27 de outubro de 2011

Cardápios especiais em restaurantes. Um sonho!

Ah, quando eu vejo algo assim fico feliz e sonhando para que outros restaurantes se "contaminem com esse vírus". Acho que as coisas estão caminhando para uma conscientização sobre os problemas dos que tem algum tipo de restrição alimentar. Falta ainda muita coisa acontecer, mas, a cada dia nos deparamos com alguma notícia que nos deixa mais contentes. A amiga Tania Lordello compartilhou uma informação sobre o cardápio do restaurante Outback e eu já fiquei doida pra voltar lá. O visual do restaurante é muito legal, a decoração simula uma casa australiana da década de 50 e está espalhado em várias capitais do Brasil. O ambiente é informal, descontraído e reúne muita gente bonita. 
Eles possuem um cardápio especial, que inclui refeições com indicações de baixo colesterol, de produtos alergênicos, entre outros, e, especialmente para os celíacos, tem todos os detalhes sobre o que pedir sem glúten. Fantástico! Vale a pena conferir! Quem quiser, pode baixar o cardápio e ir escolhendo antes de sair de casa.
Assim que puder vou até lá e conto tudo aqui. Claro, como boa celíaca prevenida, antes de comer eu vou bater um papo com o gerente pra saber se não há problemas com a contaminação cruzada... E depois, vou comer muuuuuuuuito, porque sem glúten, POOODE!


Para maiores informações, acesse os links acima!

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Tortinhas Salgadas sem Glúten


Ainda na mania da massa do pão de queijo, tive a ideia de fazer essas mini tortinhas para testar e ficaram óoootimas!! Eu e Juliano mais que aprovamos! Essas forminhas são de inox (que minha irmã emprestou) com fundo removível, muito bonitinhas! Elas são um pouquinho maiores que as tradicionais de empada. 
Olha como é fácil de fazer:

Ingredientes da Massa:
1 pacote de massa em pó para pão de queijo (usei Yoki)
2 ovos
100 ml de água
1 gema de ovo para pincelar

Modo de Fazer:
Misture bem todos os ingredientes em um recipiente até formar uma massa elástica.

Ingredientes do Recheio:
Aproximadamente 300 gramas de carne moída
Óleo
Cebola/Alho
Azeitonas
Molho de tomate
Sal a gosto

Modo de fazer:
Aqueça em uma panela um pouco de óleo e refogue a cebola picadinha. Junte a carne moída e deixe cozinhar. Coloque um pouco de molho de tomate, azeitonas picadas e sal. Deixe cozinhar alguns minutos para ficar cremoso.

Montagem das Tortinhas:

Pegue uma quantidade do tamanho de um pão de queijo e faça uma bolinha com as mãos. Achate a bolinha e estique a massinha delicadamente. Unte com um pouquinho de óleo a forminha e coloque a massa cobrindo o fundo e as laterias da forminha (foto 1). Recheie com a carne moída. Faça uma bolinha menor com a massa, achate e estique-a. Cubra a tortinha já recheada e pincele com gema de ovo para dourar. 
Coloque no forno por mais ou menos 20 minutos, dependendo da potência. Não demora a assar.


Rendimento:
12 tortinhas.

Observações:
1) Coloquei um pouquinho de queijo coalho ralado em cada tortinha, mas, deveria ter colocado mais, pois, não fez tanta diferença (foto 3).
2) Pode também ser feita em forma de empada ou em pirex maior, é só abrir a massa.
3) O recheio pode variar: frango desfiado, queijo e presunto, palmito...
4) Coloquei duas na geladeira para comer depois e esquentei no micro-ondas. Ficou bom do mesmo jeito.
5) É melhor fazer o molho mais sequinho.
6) Não sei exatamente a quantidade da carne, pois, congelo nos potinhos e não sei quanto cabe neles.

Não deixe de experimentar!!

  Gostou?? C  O  M  E  N  T  E!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Pizza de Pão de Queijo

É pizza ou pão de queijo? É pizza feita da massa do pão de queijo e virou mania aqui em casa! O motivo é que é extremamente fácil e rápido de fazer! Minha amiga Micha me passou uma receita e eu testei. Já tinha visto em algum lugar, mas, não sei quem a inventou. Quem souber, me fale!
É muito simples!

Ingredientes:
Massa:
1 pacote de massa em pó para pão de queijo (usei Yoki)
2 ovos
100 ml de água

Cobertura:
Molho de tomate
Queijo mussarela
Presunto
Palmito
Azeitonas
Orégano

Modo de Fazer:
Misture todos os ingredientes da massa em um recipiente até formar uma massa elástica. Abra em uma forma redonda (untei com um pouquinho de óleo) e coloque no forno por cerca de 15 minutos. Retire a massa do forno e cubra com molho de tomate, queijo mussarela, presunto, azeitonas, palmito, ou o que você preferir. Salpique orégano. Coloque novamente no forno para derreter o queijo.
Quando o queijo estiver derretido, é só retirar e saborear!!

Fácil e delicioso!


domingo, 9 de outubro de 2011

Malu Com Seus Botões no Jornal!


O Jornal Revista Caderno Especial é um jornal que circula na região de Barra do Piraí, Barra Mansa, Conservatória, Dorândia, Ipiabas, Mendes, Paracambi, Paulo de Frontin, Penedo, Piraí, Santanésia, Valença, Vargem Alegre, Vassouras, Volta Redonda e outras, que nasceu em outubro de 1998. É um informativo cultural (que resgata a história de pessoas, cidades e fatos da região), social e preventivo da área de saúde. O jornal é distribuído gratuitamente (em pontos estratégicos de alta rotatividade) ou através de assinatura anual.

Para minha surpresa, um texto do Malu Com Seus Botões, saiu no jornal, e eu fiquei muito feliz! Pela segunda vez eles estão divulgando a DC. O texto foi "A indescritível sensação de comer sem preocupação", que eu escrevi quando fui ao shopping e pude comer pela primeira vez depois do diagnóstico da DC.

Obrigada aos diretores do jornal!
Contato: cadernoespecial@gmail.com

sábado, 8 de outubro de 2011

Quem disse que comida sem glúten é sem graça???

Se alguém aqui torce o nariz para as comidas sem glúten do nosso cardápio, é porque ainda não viu essas maravilhas!! Minha amiga Rejane Reis, lá de Dourados-MS, da Acelbra-MS, sempre compartilhou conosco receitas saborosíssimas, de comer com os olhos de tão lindas! 
É dela o bolo de chocolate sem glúten que eu já postei aqui, que eu tentei fazer igual. Outra que deixa todo mundo babando é Gilda Moreira, da Acelbra-RS, que faz da culinária uma arte!
Bom, mas se vocês acham que as receitas vão ficar escondidinhas, e nós só vamos babar vendo as fotos, estão enganados! Super Raquel Benati, da Acelbra-RJ, entrou em ação e contou tudo nos livros, Cozinhando sem Glúten - 25 receitas - Gilda Moreira e A Cozinha Sem Glúten de Rejane Reis, que podemos baixar gratuitamente.
Parabéns às artistas da cozinha, Rejane Reis e Gilda Moreira! Parabéns Raquel Benati! O trabalho de vocês ficou lindo e vai nos ajudar a ter uma alimentação muito menos monótona!
Não percam a oportunidade de ter esses dois livros de dar água na boca!!

Clique para baixar

Clique para baixar
Beijo aos leitores do MCSB! Obrigada pela visita!!

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

Um ano de celíaca!!

Hoje faz um ano que eu ultrapassei umas pedras grandes que apareceram no meu caminho. Parecia difícil passar por todas elas, mas, uma a uma foi sendo chutada pro lado, pulada, quebrada e hoje eu estou aqui, bem melhor. Não foi fácil... Não foi fácil perder quase dez quilos de uma hora pra outra, passar mal sem cessar e tentar fingir que estava tudo bem. Eu não queria preocupar ninguém, até quando não deu mais, era visível a fragilidade do meu corpo. Hoje eu vejo que eu fui muito forte. Não deixei de trabalhar, queria seguir minha vida normal, aos trancos e barrancos eu segui. Chegou uma hora em que todos a minha volta já estavam extremamente preocupados, e eu percebia pelos olhares... Eu que sempre fui magra, sequei, como eu nunca imaginei que pudesse ficar. Perdi todas as roupas, e só saía com vestidos largos pra disfarçar a magreza. Nos intervalos das aulas, colocava os pés pra cima, pra ver se o inchaço melhorava. Nas reuniões com os amigos, sempre dava as escapadinhas pro banheiro, porque o desconforto abdominal era muito grande. Fiquei com vergonha de sair na rua e perceber que todos se espantavam. Chorava copiosamente e rezava por um fim, que chegou no dia 05 de outubro de 2010.
Acredito que tudo tem um propósito, e o que eu passei surgiu para que eu me tornasse mais forte. Fiquei meio perdida no início, porque ter um problema que não tem cura, é de assustar qualquer um. Mas isso não durou muito. À medida que ia descobrindo novas receitas, que ia lendo as respostas da Flávia Anastácio e da Raquel Benati na comunidade, que ganhava um quilo, que estudava mais sobre a Doença Celíaca, que ia na casa da minha irmã comer um biscoitinho que ela testava, ia vendo que não era o fim do mundo, que eu ia conviver com a condição celíaca muito bem. Apesar de nossas dificuldades, não reclamo de ser celíaca. Tenho prazer em explicar cada detalhe quando alguém me pergunta mais uma vez, de participar das Conferências de Saúde e de Segurança Alimentar, mesmo com o meu tempo corrido, de ir pra cozinha testar uma receita nova... E olha que isso era coisa que eu nunca podia me imaginar fazendo!
Hoje eu tenho prazer em comer, eu tenho fome. Não como por obrigação, como antes. Hoje eu tenho muito mais amigos, virtuais e reais. Hoje eu sei o que é abraçar uma causa, se engajar. Hoje eu sei que as pessoas me amam de verdade, principalmente quando eu chego numa festa e recebo um prato preparado especialmente pra mim. Excluí o glúten da minha vida, mas ganhei muito mais coisas. Uma outra visão do mundo se abriu na minha frente.

Obrigada a todos que acompanham o Malu Com Seus Botões!



terça-feira, 27 de setembro de 2011

O grande culpado de tudo...


Hoje foi um dia muito feliz para mim... 
Fui ao médico! 
Vocês podem não estar entendendo. O que "ir ao médico" pode trazer de alegria? Nós só vamos ao médico quando estamos doentes, e isso não é um bom sinal... 
A verdade é que falta uma semana para eu completar um ano de celíaca e voltei ao consultório do Dr. José Secundino para conversar com ele sobre a possibilidade de fazer uma nova endoscopia com biópsia - para ver se o intestino delgado está regenerado - entre outros exames, para revê-lo e para dar-lhe o nosso livro, Vida sem Glúten. Se o mundo tivesse mais alguns médicos como o Dr. Secundino, não haveria tantas mortes e sofrimento por aí. Desde que cheguei em seu consultório desesperada no ano passado, ele me tratou com atenção, me examinou inteira e me ouviu pelo tempo que eu quis falar. Como ele me disse hoje, o paciente conta a história da doença, e ouvi-lo é imprescindível para o diagnóstico. E isso ele faz muito bem. 
Quando eu entrei no consultório ele me olhou sem lembrar exatamente quem eu era, porque eu estou muito diferente de quando cheguei lá na época da crise, desnutrida, pálida, inchada e loura (até a cor do cabelo a DC me fez mudar). Como ele dizia, eu cheguei "com o pé na cova"! Depois disse que eu parecia uma menina que ele diagnosticou com DC. Era eu mesma!
Ele concordou que hoje eu sou outra pessoa. E sou uma pessoa mais feliz e saudável, e ele é um dos maiores culpados por isso. Ele continua o mesmo, simpático, gentil, bem humorado, que olha para o paciente como uma pessoa igual a ele. Uma coisa que me deixa triste é médico que te olha por cima, como se tivesse te fazendo o favor de te atender, alguém menos importante que ele... Isso não pode existir! Essa descrição não serve pro Dr. Secundino, saía de lá depois de reclamar bastante das minhas dores e de ele me ouvir mais uma vez, até ter todos os exames para fechar o diagnóstico. Quando fechamos o diagnóstico, ele me mandou ir ser feliz, e eu fiz isso. Tenho um amigo muito querido, Edson Pureza, que depois de me ouvir falar minutos seguidos sobre os problemas dos celíacos e de como eu encaro a DC, ele soltou: "_É, de um limão você fez uma limonada..."  O Dr. Secundino completou: "_Uma limonada bem doce..."
Só tenho a agradecê-lo por ser esse ser humano tão especial, por ter se tornado um amigo, por sempre ter me recebido em seu consultório com bom humor, com um sorriso no rosto e por ter dado atenção as minhas dores e meus sintomas, porque eles não estavam ali em vão, eles tinham uma causa. E ele investigou e descobriu a causa, diferente de outros. A Marluce ou Malu deixou de ser a fresca e anêmica que não gosta de comer nada e "passou a ser" celíaca, e se não fosse ele, eu ia morrer desnutrida e anêmica, levando ainda a culpa pela minha morte.
Mas, isso já passou, e hoje, eu sou mais uma formiguinha que luta pela causa dos celíacos, e faço o que posso dentro de minhas limitações para ajudar a termos uma vida com mais qualidade.
Bem, e o grande culpado por eu estar vivendo saudável, adorou o livro, adorou a minha visita, adorou saber que eu estou engajada na causa dos celíacos, comeu meu biscoitinho sem glúten (heheh!), conversou bastante comigo, disse querer participar dos nossos encontros e me deixou muito feliz.
Voltarei para fazer nova endoscopia e espero que as vilosidades do meu intestino delgado estejam recuperadas, porque, aparentemente, eu estou 100%.
E antes que eu chegasse em casa para fazer este post, ele já entrou no blog e fez um comentário na postagem do nosso livro, que eu transcrevo aqui embaixo:
"Malu, como prometi, visito seu site. É um lugar de esperança e fé. Fiquei muito feliz em vê-la hoje, faz valer a pena... Saúde a você e a todos que compartilham dessa pequena diferença. Emocionado, seu amigo, José Secundino"


 Obrigada Dr. Secundino!

terça-feira, 20 de setembro de 2011

Maravilhas que o ser humano é capaz de fazer...

O ser humano é capaz de fazer tantas coisas bonitas, e, no entanto, o que mais temos visto, é o lado animalesco do homem, tanta falta de respeito pelo outro, tanto descaso, corrupção, assassinatos e crueldades. Ficamos emocionados quando vemos o quanto o ser humano pode ser bom, talentoso e especial, e isso nos faz acreditar que as pessoas podem mudar e fazer um mundo mais digno de se viver, buscando dentro de si o que de melhor pode oferecer.
Acredito que todas as pessoas, por pior que possam parecer, tem o seu lado que é belo. Não quero desacreditar do ser humano... Ainda não.
Há pessoas que emocionam através de seu talento e da arte, mesmo que essa arte relembre fatos tristes, como foi o caso da vencedora da edição Ucraniana do Got Talent (o mesmo que revelou Susan Boyle), Kseniya Simonova, que na final, ao vivo, fez uma animação da invasão da Alemanha a Ucrânia durante a Segunda Guerra Mundial, tendo usado os dedos e uma superfície com areia. Kseniya trouxe lágrimas aos olhos de juízes e do público. Foram oito minutos maravilhosos que demonstraram um talento especial e trouxeram, através da arte, a memória viva de uma guerra que marcou várias gerações. Suas histórias na areia são um fenômeno na internet, com mais de 20 milhões de visualizações. Ela já se apresentou em eventos em todo o mundo, incluindo em seu público, presidentes, membros da família real britânica, o rei da Jordânia e em muitos eventos de alto nível corporativo e casamentos. Ela é capaz de contar a história do casal através das imagens feitas na areia. Mais criativo não há!

A talentosa artista 
Assista ao vídeo deste trabalho impressionante!


Kseniya Simonova
Quem quiser rever o talento de Susan Boyle, essa mulher que chegou com seu jeitinho do interior, fora dos padrões de beleza e deixou todo o mundo boquiaberto com seu talento, é só clicar aqui

Obrigada, Verinha, professora de arte, por compartilhar a informação!

sábado, 10 de setembro de 2011

Tapioca Recheada

Vou inserir na minha oração: "Tapioca nossa de cada dia nos dai hoje..." Será que estou pecando?
Mas, preciso afirmar, depois que eu descobri a Tapioca, meu café da manhã melhorou bastante. Ah, como eu estou enjoada de comer pão de queijo!
Não tinha a mínima ideia de como fazer Tapioca. Perguntei a Mari, meu braço direito aqui em casa, e ela me explicou que tinha que botar o polvilho doce (reação espantada: "_Polvilho? Tapioca se faz com polvilho?") de molho de um dia pro outro para umedecer e depois passar na peneira. Fiz isso. Resultado: joguei tudo fora... O polvilho virou uma massa branca que nem por um decreto passava na peneira. A Mari faz assim, mas, eu (curiosa na cozinha), não consegui. Por favor, perdoem a minha ignorância, é que aqui no Rio, não há o costume de comer tapioca no dia a dia, a não ser em locais de tradições nordestinas.
Como eu sou teimosa, recorri a Santa Internet, mais precisamente ao São You Tube, e vi uma outra maneira de fazer a goma, como eles falam. Fiz e deu certo! E é assim que eu vou passar para os meus queridos leitores, que podem não ter a mínima ideia de como fazer aquelas tapiocas lindas que vendem na Feira de São Cristóvão - RJ.

Com queijo branco, presunto e ervas finas
 Os ingredientes são:
Polvilho doce
Água
Sal (tem quem não coloque)

Recheio:
Queijo, presunto, frango desfiado, atum, requeijão, leite condensado, coco ralado, geleia, doce de leite, frutas... Ou o que a sua imaginação mandar!

Modo de Fazer:
Coloque o polvilho em uma vasilha na quantidade que preferir e vá acrescentando água aos poucos e esfarelando as bolinhas úmidas que vão se formando com o dedo, cada vez acrescentando mais um pouquinho de água e esfarelando, até o polvilho formar várias "pedrinhas" pequenas e úmidas. Quem quiser, pode colocar um pouco de sal. 
Após esse passo, pegue as bolinhas e passe em uma peneira grande, para que o polvilho umedecido, ou goma, fique bem fininho. Aqueça uma frigideira antiaderente e coloque duas colheres de sopa cheias do polvilho peneirado e espalhe na frigideira igual uma panqueca, cobrindo seu fundo, em fogo baixo.
A goma começa a coagular ou grudar, e aí é só virar. O processo de cozimento é bem rápido, assim que grudar, vire, deixe alguns segundos e tire da frigideira.
Agora é só rechear e comer!

Dicas:
1) Coloque a água aos poucos, pois, se colocar muita, o polvilho começa a derreter e não dá para esfarelar e  formar as "pedrinhas".
2) Quando já está bem úmido (no ponto certo), se colocar mais água, o polvilho derrete e vira uma massa. Aconteceu isso nas primeiras vezes que eu fiz, então, tive que correr e jogar mais polvilho, por isso, nunca coloco o polvilho todo na vasilha, deixo uma reserva para o caso de errar no ponto (botar mais água que o necessário) e precisar acrescentar mais polvilho. Depois que pegamos a prática, não erramos mais.
3) Uma vez coloquei o polvilho já peneirado na frigideira e não grudava de jeito nenhum. Estava muito seco. Tive que molhar e fazer o processo todo de novo.
4) Na falta do polvilho doce, usei o polvilho azedo e deu no mesmo!
5) O polvilho já deve ser colocado na frigideira quente.

Com queijo branco

Para quem não entendeu, esse vídeo foi esclarecedor pra mim:


Valeu Neta, Isabela e Emanuele Marques, pelo vídeo!

Você conhece o caviar de tapioca? Sabia que a origem da tapioca é indígena (tupi-guarani)?
Quer ter mais informações sobre a Tapioca?

Dúvidas, dicas, elogios ou críticas? Comente!

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Mulher de 30!

Nas minhas andanças pela internet eu achei um site bom demais, chamado Mulher de 30. São tirinhas sobre o cotidiano das mulheres de 30 anos, mas, que na verdade, servem para mulheres de qualquer idade! Os desenhos são feitos com muita competência por Cibele Santos. Ela consegue transformar em história em quadrinhos todas as particularidades do universo feminino, os amores, desamores, as frescuras, as vitórias, as decepções, tudo de forma bem engraçada. Eu não me canso de ler e gargalhar a cada tirinha nova!
Trouxe para cá uma que tem tudo a ver com o meu momento atual!
Entrem lá e divirtam-se!!
Parece até eu!


Beijão! Bom fim de semana a todos os queridos leitores do Malu Com Seus Botões!

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Comida para o pensamento

Barbara Ramsay reflete sobre o que é bom na alimentação e melhor ainda na dieta.
Este texto foi extraído de Brahma Kumaris Official Website

Fonte: Surpresas para namorados
O aviso “Leia sempre as entrelinhas”, usado para referir-se a hipotecas, contratos e negócios importantes, serve agora também para caixas de cereal, enlatados e garrafas de suco. Gastamos tempo nos supermercados examinando as etiquetas, tentando decifrar códigos estranhos com números e procurando coisas que sejam “poli” ou “mono” ou “des”. Quando Linus se recusou a comer o seu sanduíche de pasta de amendoim e Lucy perguntou por que, ele olhou para ela com horror e disse: “Olhe para a etiqueta no frasco. Essa coisa tem ingredientes demais!”.
As autoridades que cuidam dos alimentos têm muito o que responder. Eles dizem que nós não deveríamos comer laticínios, pois causam muco. Os vegetais não têm problema, mas cuidado com a famigerada berinjela. Ela tem a mesma estrutura celular das células cancerosas. Um tomate? Bem, ele é parte da família da beladona.  Sigam a dieta de Pritikin e vocês comerão muitos grãos antes do meio-dia. Seja macrobiótico e você não comerá quase nada mais o dia todo. “Viva principalmente de frutas, mas sempre as cozinhe”, dizem. Mas há também aqueles que dizem: “Viva principalmente de frutas, mas nunca, em nenhuma circunstância, cozinhe-as”.
E não é apenas o comer que é perigoso. Beber é igualmente complicado. Chocolate, afinal de contas, é feito de leite. Café? Você deveria dizer “arsênico”. Chá é pior do que café, pois não contém apenas cafeína, mas também ácido tânico. Refrigerantes não têm ácido tânico, mas certamente têm cafeína. Eles também têm açúcar, exceto o tipo “diet”, que são mini-fábricas químicas à procura de um estômago para poluir. Os sucos deveriam ser espremidos na hora, senão não têm absolutamente nenhum valor nutricional e, pelo amor de Deus, não beba suco com nenhuma outra coisa. Claro, há ainda a água, mas a da torneira está cheia de coisas terríveis... E a que borbulha das fontes – bem, quem sabe o que contém a terra hoje em dia? Há ainda a água mineral, mas de fato os minerais não são realmente bons para você. Escute tudo isso e você acabará vivendo de água destilada e maçãs derrubadas pelo vento... E não estou tão certa com relação às maçãs.
Ainda há a questão vegetariana, um assunto que tem causado longas discussões com amigos. Para mim, quando minha filha era pequena e cantávamos “Mary tinha um carneirinho” e depois havia costelas de carneiro para o jantar, isso se fixava na minha mente e não saía. Mas... Se eu disser que não como nada que pensa, ou que seja consciente, grandes debates surgem cheios de fatos sobre as cenouras que gritam quando você as corta, e outras questões, por exemplo, de “como você pode provar que um peixe pensa?”. Para evitar o problema, apenas diga “não como nada que tenha uma cara”. Não importa quais sejam as nossas escolhas alimentares ou opiniões, com todos os fatos e números, especulações e investigações, alguma coisa muito importante é sempre deixada de lado.
A comida alimenta não só o estômago e nutre não só o corpo. A comida também conforta o coração. Afinal, quantas mães oferecem um biscoito e também um abraço quando o filho cai? Quando a comida é dada com mãos amorosas, ela tem o poder de acalmar a criança que chora. Até mesmo quando somos adultos, o poder do conforto ainda existe aí. Em muitas culturas, quando alguém morre, há uma tradição dos vizinhos em trazer comida para a casa enlutada. Mais do que simplesmente permitir que os que estão de luto não tenham de cozinhar, o gesto significa “Eu me importo... eu estou aqui... depois disso, existe vida”.
As celebrações, também, sempre têm a comida em seu centro. Nós convidamos as pessoas para compartilhar uma refeição como sinal de amizade e celebramos os aniversários com um bolo. E o que é mais legal, caloroso e amigável do que fazer um doce para as pessoas com quem você se importa?
Sendo a vida o que é, há muitos regalos especiais para o palato, a barriga e o coração que nunca desaparecerão – não importa que sejam ou não bons para nós – e o mais importante são as coisas feitas à mão, por alguém que você conhece.
Claro, doces e biscoitos do supermercado ou jantares congelados e muitas outras coisas economizam o tempo das pessoas. Não é preciso ler receitas, nem passar um tempo extra na cozinha, nem lavar a louça depois. Mas mesmo que você os prepare cuidadosamente, com amor, eles nunca encherão a cozinha com os bons aromas do cuidado e aconchego culinários. Você não pode servi-los ainda quentes do forno e não pode assá-los junto com seus filhos.
Mas há ainda mais pontos a favor da comida caseira do que o sabor e o modo como cheiram. Mais ainda do que o ato de compartilhar. Embora seja verdade que “nós somos o que comemos”, é ainda mais verdade que “nós somos o que pensamos”, porque a mente humana é uma coisa poderosa. Poucas pessoas atualmente duvidariam de que nossas mentes enviam vibrações constantes, e essas vibrações afetam o mundo em que vivemos. É algo que as pessoas parecem ter percebido em um nível instintivo.
Uma vez, quando eu era pequena, lembro-me de ter ouvido minha mãe falar sobre uma briga e a atmosfera que essa discussão deixou. “Você podia cortar o ar com uma faca”, ela disse. Para minha mente de criança, isso era incrivelmente vívido. Eu quase podia ver o ar… grosso e um pouco pegajoso. Seria difícil andar contra um ar assim, eu pensei, e impossível correr ou pular. Por muito tempo, sempre que havia uma briga, eu olhava atentamente, procurando realmente ver o ar da sala, mas não tive de crescer muito para entender o que isso significava.
No tempo dos hippies felizes e dos “filhos da flor”, as pessoas diziam “boas vibrações, cara” ou “pesado”. Isso fazia sentido totalmente. Uma atmosfera cheia de antagonismos, ciúmes ou raiva é pesada e, de fato, cria uma sensação de que você quase pode cortar o ar com uma faca. Todos nós sabemos disso. Há inúmeros livros escritos sobre como usar os pensamentos corretos para criar sua própria vida, para transformá-la no que você quiser que ela seja. Todos concordam que os pensamentos são poderosos. Concorda-se que nossos humores podem afetar a atmosfera. E se nosso modo de pensar afeta as vibrações, também afeta a comida que cozinhamos. Todos os dias lidamos com vibrações que não podemos ver e ainda assim aceitamos completamente. Muitas dessas vibrações viajam distâncias incríveis e são captadas tão claramente e tão fortemente que chegam na forma de imagens e sons, claros o bastante para que todos vejam. A única razão pela qual não vemos a televisão como um pequeno cosmo, a única razão pela qual não a assistimos com ceticismo, é porque estamos acostumados a ela.
Com o clicar de um botão, a luz se acende, e nunca perdemos tempo pensando sobre como isso é impossível. De fato, se dependesse de nossa crença, provavelmente ainda estaríamos vivendo no escuro. Estamos acostumados a alguns milagres e outros são ainda simplesmente novos para nós.
Quando estamos cozinhando, nossas mentes estão trabalhando, as mentes fazem isso o tempo todo, não importa se queremos ou não. É isso que nossas mentes fazem. Quando estamos mexendo, enrolando e assando, estamos pensando, e o pensamento cria vibrações, não importa se queremos ou não, porque é isso que os pensamentos fazem. Se tivermos pensamentos positivos, então nossas vibrações são felizes, pacíficas e afetam a comida, afetando também as pessoas que comerão a comida.
Exceto nos lugares onde a sobrevivência é tão dura que a comida simplesmente mantém o corpo e a alma juntos, compartilhar a comida sempre é parte de momentos profundamente significativos... marcos na vida: o café da manhã do casamento, o banquete do batismo, a comida do funeral, o jantar compartilhado de ação de graças que celebra um compartilhamento mais antigo de comida entre duas culturas. Mesmo a palavra “comunhão” significa amizade e paz. Momentos profundamente espirituais utilizam a comida como moeda de passagem, não importa que seja no Ocidente, onde Cristo e seus discípulos compartilharam a Última Ceia, ou no Oriente, onde os adoradores recebem a comida que foi oferecida nos templos ou cozida na lembrança de Deus.
Os pensamentos são poderosos, e as vibrações criadas pelo que pensamos afetam a vida. Se nossos pensamentos forem cheios de negatividade, se cozinharmos quando estivermos com raiva ou chateados, corremos o risco, como em um conto da carochinha, de metaforicamente “engrossar o caldo”. Cozinhe com cuidado, cozinhe com amor e saiba que esse é um milagre sobre o qual você tem controle... um milagre que você pode fazer.
Está em nosso poder realizar esse milagre, como um presente, para as pessoas que comem o que cozinhamos. Está em nosso poder dar-lhes comida que contenha paz, amor, conforto e até mesmo um pouco de mágica. Nunca devemos nos esquecer de que, nas melhores receitas, o amor é o ingrediente secreto.

Barbara Ramsay é uma escritora freelancer de Melbourne, Austrália.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Bolo de Leite Condensado e Coco

Quando recebi o link dessa receita da amiga Michele, não pensei que esse bolo ficasse tão saboroso!
Depois que as pessoas próximas ficaram sabendo da minha restrição alimentar, todos se lembram de mim quando veem alguma receita ou produto sem glúten, e, o melhor, é que me passam logo as dicas, os links, se preocupam... Me disseram que isso se chama amor! Obrigada, pessoal!
Bom, e assim, uma colega de profissão que eu conheci em um curso, me passou o link do blog Prato Feito, no qual tinha um bolo sem farinha de trigo. Tive a mesma reação de todas as pessoas para as quais eu passei a receita: "Só esses ingredientes?" Exatamente, só quatro ingredientes diferentes e um bolo di-vi-no!!
Quem não experimentar vai perder a oportunidade de conhecer esse sabor!

Na forma de pudim
Ingredientes:
6 ovos
1 lata de leite condensado
100 gramas de coco ralado
1 colher de sopa de fermento em pó

Modo de Fazer:
Bata todos os ingredientes no liquidificador e coloque em forma untada com margarina e enfarinhada. Coloque no forno e quando estiver moreninho, está pronto!

Dicas:
1) Fiz na forma de pudim e percebi que era preciso ter untado mais, pois, agarrou um pouco no fundo. Já na forma redonda antiaderente, só untei com manteiga e não grudou nada (está aí o motivo do nome, "antiaderente"...).
2) O tempo no forno varia, pois, segui o tempo que estava no blog Prato Feito e não assou, porque meu forno é fraco. Deixei 40 minutos para que ele ficasse bom,mais ou menos a 200º. Furei com um palitinho, e quando saiu limpinho, eu tirei do forno.
3) Em qualquer receita que eu faço, sempre coloco o fermento por último.
4) Enfarinhei com amido de milho.
5) Se quiser guardar para alguém, esconda, porque ele não dura muito tempo dando sopa!! =)

Na forma redonda antiaderente
Obrigada, Michele!
Obrigada Juliana Tiraboschi, do blog Prato feito!

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Nosso encontro foi assim...

Celíaco unido, jantar garantido! Foi maravilhoso e seguro nosso jantar! 
Amei rever e conhecer os amigos celíacos! Me senti incluída!
Nunca vi tanto intolerante ao glúten junto! Todos pedindo os mesmos pratos gluten free, e eu, super tranquila... Ali, eu não precisei explicar tudo nos míiinimos detalhes antes de comer, além de ter o cardápio sem glúten, o restaurante estava todo preparado pra nós. Trabalho de Raquel e Ester Benatti, a eficiente dupla. Além de tornar os amigos virtuais em reais, também tivemos uma surpresa, os colaboradores do livro Vida Sem Glúten, ganharam um exemplar quentinho e com lacinho de fita! Adorei, já mostrei pra todo mundo. Obrigada, sempre! 
Obrigada, funcionários do Vivenda do Camarão, por nos receberem tão bem!
Obrigada Acelbra - RJ (Miriam, Raquel, Ester...), pela luta!
Obrigada, Ju , por me acompanhar não só na dieta, mas também nos eventos!
Obrigada a cada amigo celíaco, vocês fazem parte da minha nova família.

Unidos pela causa celíaca
Nosso livro, Noádia, eu e Maria Elisa.

Quem quiser ver mais é só acessar o site da Acelbra-RJ.

quinta-feira, 25 de agosto de 2011

Encontro de Celíacos no RJ

Glúten? Não, obrigado! Sou celíaco.
Por Raquel Benati


Vocês já viram nos rótulos de produtos alimentícios a expressão "Contém glúten"? Esse aviso é para proteger a saúde dos celíacos, pessoas que tem intolerância à essa proteína, encontrada no trigo, aveia, cevada, centeio e malte. Como o glúten está presente em quase todos os alimentos que vemos servidos em restaurantes, lanchonetes e padarias, os celíacos acabam tendo poucas opções seguras para comer quando estão longe do lar.
Mas essa situação está mudando. No dia 27 de agosto, às 19h, um grupo de mais de 30 celíacos irá se encontrar na praça de alimentação do Botafogo Praia Shopping, para conhecer as opções sem glúten do cardápio da VIVENDA DO CAMARÃO, num evento inédito no Rio de Janeiro! O Gerente Rodrigo estará a postos, junto com sua equipe, prontos para receber e atender a esse público. A Vivenda oferece 3 pratos sem glúten que podem ser saboreados por todos os seus clientes e também pelos celíacos: Bobó de Camarão, Paella e Bacalhau desfiado com arroz, mais 2 opções de sobremesa.
Em tempos de inclusão, oferecer condições para que pessoas com necessidades alimentares especiais possam manter sua vida social ativa, num encontro descontraído com amigos, sem se preocupar com riscos à sua saúde, é exemplo a ser seguido por todos aqueles que trabalham com Alimentação. O evento tem como objetivos, além da oportunidade de encontrar e conhecer novas pessoas, valorizar quem se preocupa em oferecer alimentação sem glúten e sensibilizar a Sociedade sobre a exclusão social de uma parcela da população que não encontra condições seguras de se alimentar fora de casa.

O encontro foi organizado através de redes sociais (Orkut e Facebook) com os membros do Grupo VIVA SEM GLÚTEN, com apoio da Associação de Celíacos do RJ (ACELBRA-RJ).

E, claro, a "arroz de festa" aqui, estará lá!
Estou ansiosa para conhecer meus amigos virtuais!

quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Biscoitinho Leve sem glúten


Minha aluna Lucimeire me deu uma receitinha ótima! Um biscoitinho de polvilho doce com maionese que eu ainda não conhecia. Maionese no biscoito foi surpresa!
Fiz e aprovei! Ele fica super leve e derrete na boca...

Ingredientes:
100 gramas de margarina
1 ¹/² xícara de açúcar
1 ovo
1 xícara de maionese
50 gramas de coco ralado
500 gramas de polvilho doce
1 colher de sopa rasa de fermento em pó

Modo de Fazer:
Em um recipiente, bata a margarina, o açúcar e o ovo. Misture a maionese e o coco. Vá adicionando aos poucos o polvilho e mexendo, até desgrudar da mão e dar para enrolar. Por último acrescente o fermento em pó na massa e misture. Faça pequenas bolinhas e achate-as com o garfo. Unte o tabuleiro com margarina e coloque os biscoitos para assar (fogo baixo). O tempo no forno varia de acordo com a potência de cada um.

Só vi um probleminha nesse biscoito: não dá para parar de comer! 
BOM APETITE!

sábado, 20 de agosto de 2011

Adora ficar linda? É sortuda? Sorteios por aí!

Essa é para as amigas que gostam de ficar lindas! Os temas moda, maquiagem e cabelo não predominam no meu blog, mas, não tenho nada de diferente de outras mulheres. Eu adoooro essas coisas do universo feminino. Vivo vasculhando os sites e blogs pra saber das novidades fashion, assino revista de moda, sou apaixonada por sapato, perfume e maquiagem! Então, em uma dessas vasculhadas, achei um blog muito legal que estava fazendo um sorteio, e por meio desse, cheguei em vários. Estou participando de todos!! Tem sorteio de shampoo, condicionador, maquiagem, cremes e tudo mais que você imaginar! Cruze os dedos!!
Você também quer participar??
Entra lá:

Boa Sorte!

Fonte da imagem: http://vaidadeemulher.blogspot.com

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Celíaca no rodízio de pizza!

O que não se faz por amigos queridos??
Acordamos de madrugada com o telefone tocando para ouvir a dor do coração partido,
Emprestamos o ombro, dinheiro e o sapato novo que nunca usamos,
Tomamos as dores, dirigimos quilômetros só para a amiga que não dirige encontrar o novo affair...
Mas, ser celíaca e ir ao rodízio de pizza só para encontrar os amigos...
Acho que só eu!
Pelo menos uma vez por ano eu tenho o prazer e a alegria de encontrar meus queridos amigos da faculdade. Contamos os dias para o encontro, isso porque passávamos cinco dias por semana, das 8 às 17 horas juntos, e depois que formamos (em mil novecentos e lá vai fumaça...), sentimos muita falta da companhia um do outro e de todos os momentos engraçados, inusitados ou difíceis que tínhamos. 
Só que tem um detalhe, os encontros sempre foram em uma pizzaria. A filha de Deus aqui não pode mais comer pizza... Foi bom pro Juliano, que teve a oportunidade de fazer um programa que a gente nunca faz.
Mas, eu abri uma exceção! Seria a primeira vez do encontro depois da DC, então, eu os perdoaria! Claro que agora já vamos marcar o encontro em outro lugar, afinal, meus amigos me amam!
Só que na verdade, quem tem boca entra em qualquer lugar. Eu entrei, não paguei e ainda levei comida de fora para comer lá dentro. Meu noivo estava com medo de não deixarem eu entrar, mas, já estava preparada pra isso. Ia usar o E.R.A.B., popularmente conhecido como o Eu Rodo A Baiana (uma amiga da comunidade Celíacos do Brasil usou essa expressão e eu adorei)! Mas, eles foram super gentis!
Pude encontrar meus amigos e ainda comer um sushi e sashimi lá dentro!! Nem quero imaginar o que os outros clientes estavam pensando, uma louca no rodízio de pizza comendo sushi!
O encontro foi ótimo, revi o casal Lígia (do quarteto fantástico) e Luiz Olyntho que estavam morando em Portugal e havia tempo que não vinham ao Brasil, ganhei presente e matei a saudade! Só não levaram o baby portuguesinho que eu estava doida pra conhecer e ver se eu crio coragem de fazer um! Hahah!
Revi minha amada Raquel Jaques, que não saberia como ser celíaca, já que ela tem uma quedinha a mais por comida, e também, a outra amada do quarteto, Zulaine, que me viu na época da crise e disse que eu estou completamente diferente, já que ela se apavorou com meu shape esquelético do ano passado. 
Do lado masculino, além do Luiz, revi André Lobo, popularmente conhecido como Lobinho, um amor de pessoa, que é até meu seguidor do blog; o Rodrigo Rocha (Digão), meu afilhado de casamento, amigo do peito; e o Léo, que de Peninha não tem mais nada, os anos o fizeram subir de categoria, peso meio pesado! Faltou o Gian, mas, tá perdoado, ele sempre está presente.
Amigos, obrigada pelos quatro anos em que eu fui feliz com vocês, estudando, morrendo de rir, passando perrengue, entre tantas outras coisas!
Amo todos!

Meu prato! Que tal um sushi na pizzaria??

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Novo livro: Vida sem glúten - (Sobre) Vivendo em Comunidade

Nossas queridas amigas Raquel Benati e Flávia Anastácio aprontaram mais uma! 
 Essas duas pessoas incansáveis, que não medem esforços para ajudar os antigos e novos celíacos, reuniram nossos depoimentos, receitas, dores, risadas e trocas de figurinhas para criar um livro fantástico, o "Vida sem glúten - (Sobre) Vivendo em Comunidade"
O livro fala sobre o cotidiano do celíaco, o diagnóstico, a dieta, receitas, entre outras coisas, a partir das experiências dos celíacos que participam da comunidade "Viva Sem Glúten", que tem como fundadora e moderadora a amiga Isabela Nagy, do site de relacionamentos Orkut.


O livro teve organização de Raquel Benati e Flávia Anastácio de Paula, com colaboração de Carla Melo, Cassia Kuklmann, Claudia Mascarenhas, Cleo Oliveira, Cristina  Espanã, Cynthia Miceli, Eliane Beppler, Elena Loss, Elizangela  Dantas, Erivane Moreno, Gilvana Carvalho, Isabela Nagy, Janaina Branco, Jorge Rezende, Leila  Brandão, Li  Lizete Pereira, Luís Queija, Malu AyelloMara Souza, Marisli Corrêa, Michele  Gomes, Miriam Pereira, Mirian Barradas, Rejane  Reis, Rita  Bello, Rose  Honorato, Sandra Pereira e Vivian Correa.
A Acelbra também divulga outros materiais importantes para a leitura de quem quer conhecer mais a Doença Celíaca, como o Guia Orientador para Celíacos, o Gibi Infantil: Doença Celíaca -Feliz Aniversário!, Orientações para receber uma criança celíaca em sua casa, Literatura Infantil - O Presente de Lola, Criança Celíaca Indo para a Escola, entre outros de igual importância (clique para ver).
Todo o material pode ser baixado gratuitamente!


Observação emocionada: 
Ver meu depoimento no livro me fez chorar bastante, pois, o mesmo me fez voltar exatamente aos momentos em que estive sem rumo e sem saber o que fazer, quando estava perdida, pré diagnosticada, em um mundo totalmente desconhecido. Vi minhas palavras ali, na íntegra, e percebi nelas a minha fragilidade naquele momento.
Hoje a história é outra. Estou muito melhor que antes da crise.
Mais uma vez agradeço as pessoas que fazem parte deste livro, que hoje já fazem parte da minha vida!
Agradeço aos que passaram comigo de perto os momentos da crise, e que me deram força, para não entregar os pontos, em uma fase de fragilidade física e mental.
Obrigada a minha família, meu noivorido e meus amigos!