segunda-feira, 11 de junho de 2012

Consciência pesada...

Eu tenho aceitado tantos convites para almoçar fora, jantar fora, lanchar fora, tomar uma cervejinha (essa eu dispenso, fico no refrigerante ou no suquinho), fazer um churrasquinho - entre outras farras gastronômicas - que eu estou ficando com dor na consciência. Claro que em nenhum momento eu penso nos quilinhos a mais que eu posso ganhar, porque definitivamente, eu NÃO ganho UM quilo! Não é engordar que me incomoda nessas sociais com os amigos. O que me incomoda, é que eu não sou uma pessoa que sai para comer tranquilamente... No curto espaço de tempo entre o convite e confirmar a presença, o meu cérebro trabalha ultra rápido pensando em todas as possibilidades que o local me oferece para comer, na não-contaminação no caso de haver algo que a pobre mortal possa ingerir, a minha disposição pra conversar com o gerente ou garçom sobre DC, glúten e contaminação, sugerir um lugar que eu costumo frequentar, calcular as chances de a pessoa se chatear com uma resposta negativa ou com a sugestão de um outro lugar, e finalmente, eu respondo: "_Vamos!"
E nessas saídas frequentes, não esqueço em nenhum minuto da minha querida restrição alimentar. Tem sido bom, mas há um desgaste grande. Os amigos do meu marido devem pensar: "_Juliano arrumou uma mulher complicada..." Mas todos me tratam com muito carinho, ainda bem. O negócio é que quando todos fazem seu pedido, eu tenho que alugar o garçom, e explicar tin-tin por tin-tin - igual ao Sr. Explicadinho - ir lá no churrasqueiro conferir tudo o que está sendo colocado na carne, se tem pão na churrasqueira, se a farofa tem algum condimento que contenha glúten... E depois de todo o trabalho pra me certificar que vou comer seguramente, eu como. Como, como, como... 
E depois a consciência dói. Eu fico pensando que estou me arriscando, que eu não deveria comer fora tantas vezes, que os outros celíacos não devem fazer isso, que eu vou acabar passando mal qualquer dia, que se meus exames acusarem algum anticorpo além do normal contra o glúten, ou se minha próxima biópsia tiver alguma alteração, eu vou ficar muito deprimida, e por aí vai.
Nunca passei mal nessas saídas, mas me sinto culpada... E ao mesmo tempo acho que não devo me privar, não vou me excluir quando não há necessidade. Já basta nas festas em que eu fico tomando refrigerante e cheirando salgadinho (já posso dizer que eu sou uma viciada em cheirar bolo e salgadinho, dá pra saber o gosto, mais ou menos, a partir do cheiro...). 
E também tem hora que não dá pra levar marmita pro restaurante... 
E assim eu vou levando.
Um jantarzinho aqui, um almocinho lá, e a dor na consciência de poder estar me contaminando.
Espero que as outras dores não apareçam também...


3 comentários:

  1. Luciana N. Pavlidis11 de junho de 2012 20:44

    Adorei Malu!! Também estou nessa, não recusa nada ou quase nada rsrs Bjim Lu

    ResponderExcluir
  2. Adorei..ler isso..é assim q me sinto muitas vezes....mas acabo não indo....tenho muiiitooo medo....bah..ainda não sei trabalhar a dor...q sinto...!!!

    ResponderExcluir
  3. Malu, muito legal. Eu também tenho essa culpa, mas acho que em dobro, pois é culpa de mãe. E essa é da braba, pois não é com a gente direto, mas com um FILHO. A dobradinha restrição e socialização é muito complicada pra uma família celíaca. O Sr. Explicadinho parece que vai minando qualquer boa vontade que os outros tenham em receber alguém com restrição alimentar. É para o bem da saúde, mas que é chato, é.

    ResponderExcluir

Obrigada pelo seu comentário!